Vergel, de Kris Niklison com Camila Morgado – Festival do Rio


 

Vergel um filme de Kris Niklison 

Selecionado para Festival do Rio 2017

 

Première Latina

Quarta-feira (11/10) 21:15 Kinoplex São Luiz 2
Quinta-feira (12/10) 15:20 Estação NET Ipanema 2
Sábado (14/10) 17:30 Estação NET Rio 3 

 

Coprodução Argentina – Brasileira

Após a participação do filme na Seleção Oficial Argentina do 19º BAFICI – Buenos Aires Festival Internacional de Cinema Independente e na  Seleção Oficial Brasileira do 45º Festival de Cinema de Gramado, o filme Vergel, de Kris Niklison, será exibido no próximo dia 11 de outubro, com a presença da diretora, equipe e elenco no Festival do Rio 2017 (Première Latina).

 

Sinopse

 

Um luto repentino leva uma mulher à beira da loucura. Trâmites funerários, calor e uma vizinha que vem regar as plantas, se juntam em um périplo emocional no qual é impossível distinguir o real do irreal. 

Vergel foi ganhador do concurso ANCINE INCAA 2013 (concurso para coproduções Brasil-Argentina) e filmado no verão de 2016 em Buenos Aires.

A ação se desenvolve em um jardim de um terraço situado no coração de Buenos Aires, desde onde se registra também a ação na rua e nos terraços vizinhos.

 

Elenco

Camila Morgado (Olga, de Jayme Monjardim)

Maricel Álvarez (Biutiful, de Alejandro González Iñárritu)

 

Participações especiais

Maria Alice Vergueiro, Daniel Fanego, Daniel Aráoz

 

Com

André Caldas, Claudio Torres, Sang Min Lee

Silvina Bosco, Nelson Rueda, Cacá Vicente

 

 

Ficha técnica

Produtoras: Casadasartes Films (BR), Basata Films (AR)

Escrita, dirigida e produzida por: Kris Niklison (AR)

Produção Executiva: Mi Chan Tchung (BR)

Produção Administrativa: Victor Schneider (AR)

Fotografia e Arte: Kris Niklison (AR)

Som: Martin Grignaschi (AR)

Música Original: Arrigo Barnabé (BR)

Edição: Kris Niklison, Karen Harley (AR-BR)

Figurino: Gabriela Marra (BR)

Maquiagem: Mary Paiva (BR)

Assistente de Direção: Gigi Soares (BR)

 

 

Título original: Vergel

Título internacional: Vergel

Origem: Argentina-Brasil

Duração:86 minutos

Idioma: Espanhol- Português

Formato original: 2K

Screaning format: DCP

Completada em: abril 2017

Som: 5.1

Cor: full color

 

 

Notas do diretor

Vergel é uma tentativa de entender a morte. Minha morte, outras mortes, as mortes internas às quais nos levam o desaparecimento físico de um ser querido. E querer entender a morte me levou à complexa tarefa de tentar entender a vida. A vida, que pode ser um simples nascer, respirar, desenvolver-se, procriar, evoluir e morrer; ou o tempo que duram as coisas; ou a busca de autonomia, liberdade e beleza, segundo dizia Aristóteles.

Em todo caso, vida sempre é natureza, de modo que inconscientemente comecei a construir o filme com os componentes mais essenciais da vida/natureza: O mundo vegetal, fonte de oxigênio; o mundo animal, símbolo de instinto; a luz do sol, primeira fonte de energia; a água, essencial para a sobrevivência e o tempo, ao que todo o anterior está submetido.

Ao querer falar de morte me encontrei então falando de vida e ao ter que falar de vida, me descobri falando de natureza. E como falar de natureza sem falar de beleza, se é na primeira que encontramos a referência da segunda?

Vergel se converteu então em uma busca artística, filosófica, física, metafísica, técnica, desesperada, por beleza. Por essa beleza que se esconde na feiura, pela luz que incide na escuridão, pelos espaços que se abrem na reclusão… Pela vida que brota da morte.

 

Kris Niklison

 

Internacionalmente premiada como atriz, coreógrafa, autora, diretora teatral e cineasta. Nasceu em Buenos Aires onde se graduou na ENAD e viveu em Amsterdam, onde fundou a Kris Niklison Theatre Company, trabalhou com Peter Greenaway, Dario Fo e deu aulas na The National Ballet Academy. Residiu também em Hamburgo, onde foi protagonista do Cirque du Soleil. Seus espetáculos, uma combinação de teatro físico, dança, projeções e texto, foram apresentados em mais de 20 países de 4 continentes conquistando o público e a imprensa internacional. Em 2006 voltou a Buenos Aires e fundou a produtora de cinema Basata Films. Seu primeiro longa-metragem, Diletante, foi produzido em associação com a Sra Lita Stantic, ganhador de Melhor Longa-metragem Argentino no 23* Festival de Mar del Plata, Melhor Documentário no 50* Festival de Cartagena e foi declarado de Interesse Cultural pelo Honorável Senado da Nação Argentina. O seu segundo longa, Vergel, foi estreado mundialmente na Competição Argentina do 19* BAFICI e teve a estreia no Brasil na Competição Brasileira do 45* Festival de Gramado. O seu terceiro roteiro, O Barqueiro, ganhou recentemente o Fundo de Desenvolvimento de Ibermedia.

 

Distribuição

 

A ArtHouse é uma distribuidora dedicada ao cinema de autor que traz em seu catálogo filmes como A Erva do Rato e Educação Sentimental, de Julio Bressane, A História da Eternidade, de Camilo Cavalcante, Big Jato, de Cláudio Assis, Futuro Junho, de Maria Augusta Ramos e muitos outros longas-metragens que se destacaram no circuito de festivais dentro e fora do país, como os Festivais de Rotterdam, Locarno, Roma, Festival do Rio e Festival de Brasília.

Os mais recentes lançamentos incluem: A Família Dionti, de Alan Minas, vencedor do prêmio de público no Festival de Brasília; Introdução à Música do Sangue, de Luiz Carlos Lacerda; Love Film Festival, de Manuela Dias, e o premiado Um Filme de Cinema, de Walter Carvalho, em cartaz nos cinemas. Entre os próximos na carteira de 2018 destacam-se O Beijo no Asfalto, de Murilo Benício, King Kong em Assumpcion de Camilo Cavalcanti, Back to Maracanã, coprodução com Israel, e Domingo, novo filme de Fellipe Barbosa.

Com um foco no cinema nacional de arte, e consciente da importância da comunicação eficaz com o público, a distribuidora ArtHouse ajuda a preencher uma lacuna no setor, dando visibilidade em salas de cinema a toda uma produção brasileira de imensa qualidade e reconhecimento internacional que enfrenta sérias dificuldades de chegar ao espectador.

 

Related posts